Os desafios ao preparar o “pacote etanol”

Você tem acompanhado com a Ruff as mudanças em razão das oscilações do preço do etanol e consequentemente da gasolina. Já falamos também em nosso blog os motivos dessas oscilações e as preocupações futuras com abastecimento do país. Agora com as medidas já tomadas e os preços estabilizados, acredita-se que essa oscilação possa ocorrer na entressafra dos próximos anos.

O próximo passo do governo para evitar que isso aconteça é organizar e colocar em prática um conjunto de medidas que possam suprir a demanda do país e estabilizar os preços desse produto. Algumas dessas ações envolvem medidas específicas de crédito aos produtores, focando em armazenamento, bem como a possibilidade da redução permanente de anidro na gasolina e a diminuição da Contribuição sobre Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre o derivado de petróleo.

No momento a mistura mínima de Anidro com Gasolina foi reduzida de 20% para 18%, mantendo a máxima em 25%. A finalidade dessa ação era evitar a falta do produto no mercado, porém não obteve resultado uma vez que a porcentagem não foi de fato diminuída na gasolina comercializada.

Essas medidas podem ajudar a aumentar a oferta e ainda proporcionar maior lucro ao produtor, evitando assim altos preços. No entanto essa não é uma tarefa fácil, levando em conta que para atingir esse objetivo diversos fatores devem ser considerados.

Um dos objetivos do governo é equilibrar o consumo de gasolina e etanol, sendo que para atingi-lo é preciso fazer com que a gasolina tenha um preço mais competitivo, por isso a redução do Cide. Outro desafio é reduzir a demanda pelo etanol, que tende a aumentar. Uma opção seria diminuir a procura em período de abundância, para estabilizar os preços e também fazer com que os produtores armazenem o produto para a entressafra.

Como já havíamos comentado em nosso outro texto, existe o risco dos produtores utilizarem a cana excedente para produzir açúcar pelo fato de seu preço ser vantajoso para exportação. Esse fator unido ao crescimento da demanda deixa dúvidas se os problemas desse ano não se repetirão nos próximos.

Apesar de todos esses desafios, acreditamos que é possível estabilizar os preços e a demanda de combustíveis no Brasil. Caso você queira saber mais sobre a situação do Etanol no país e as atuais preocupações, acesse esse texto e nos mande suas perguntas e impressões através de nossos comentários.

Fonte: Estadão

2011-06-01T00:00:00+00:001 de junho de 2011|Mercado de Combustíveis|