Blog

Cuidados necessários na lavagem de motos

Enquanto a lavagem dos carros tende a ser mais eficiente em estabelecimentos especializados, a das motos pode ser feita em casa, se tomadas as devidas precauções. Caso a grana esteja curta para pagar um lava-rápido ou se você adquiriu o hábito de cuidar do seu veículo de duas rodas, a limpeza pode ser eficiente e simples, seja na rua ou na garagem.

Acerca do assunto, daremos algumas dicas para quem for se aventurar na lavagem, lembrando sempre de economizar água. Confira:
 

Sempre na sombra

Evitar o sol também previne manchas na pintura e ressecamento dos materiais emborrachados. Parte do mesmo princípio a necessidade de esperar o motor esfriar para jogar água, evitando-se assim o choque térmico e o comprometimento das peças e sistemas.
 

De cima para baixo

Começar por cima possibilita que a água escorra para as partes inferiores e já faça parte da limpeza de forma passiva. Além disso, a parte inferior concentra toda a mecânica, então é melhor reservar um tempo maior para motor, escapamento, rodas, freios e corrente.
 

Cuidado com a água

É fundamental regular a pressão da fonte de água que estiver usando, seja mangueira ou jatos de lavadoras, já que a potência pode danificar as estruturas mais sensíveis e inundar o interior. O escapamento merece atenção especial. Caso ele seja virado para cima, é recomendado tapar com algum pano ou estopa para que não encha de água, o que causaria problemas futuros.
 

As rodas

Se as rodas estiverem muito sujas, pode-se usar palha de aço fina e xampu com querosene. A camada grossa de sujeira sairá mais fácil, mas é preciso prestar atenção para não arranhar o metal da roda.
 

Secagem

Toda a parte de cima pode ser seca com panos de algodão, sempre macios, para que absorvam a humidade mais facilmente. A parte mecânica vai secar aos poucos, mas uma voltinha rápida deve ajudar na evaporação dos resíduos mais escondidos. Cera e silicone em gel podem ser aplicados na pintura e nos pneus, respectivamente, para dar o toque final.

6 itens para checar no seu veículo antes de viajar

O fim de ano vai chegando e muitos já estão com viagens planejadas para encontrar a família e os amigos. Ao pegar a estrada, é importante que o veículo esteja pronto para aguentar as centenas de quilômetros, por isso o responsável deve tomar as precauções e fazer as revisões necessárias. Listaremos cinco sistemas que precisam obrigatoriamente estar em dia para garantir uma viagem segura e confortável. Confira:
 

Pneus

Pneus novos não só dão ao carro uma direção mais leve, como também dão mais estabilidade e aderência ao asfalto. Curvas e freadas na estrada podem ser bem perigosas se a borracha não estiver em bom estado. Além do fator “segurança”, a fiscalização rodoviária pode multar o motorista pelos pneus carecas caso haja uma abordagem.
 

Motor

O motor precisa estar em dia e com óleo no prazo de validade. Além disso, a água do sistema de arrefecimento deve estar no nível ideal, a fim de evitar superaquecimento. O consumo de combustível será o ideal se tudo estiver em ordem, o que ajuda também no bolso.
 

Freios

Os freios precisam estar regulados, sejam eles a disco, ABS ou tambor. A fim de evitar acidentes e ter uma viagem mais segura, leve a um lugar de confiança para que os testes de qualidade sejam feitos.
 

Suspensão

O alinhamento e balanceamento dos pneus deve ocorrer frequentemente, como pedem as montadoras. Os amortecedores e molas se desgastam, o que requer manutenção e troca desses itens. 
 

Lâmpadas

Se normalmente você já não deve andar com faróis e lâmpadas queimados, na estrada muito menos. Além de ser passível de multa, as luzes em bom estado ajudam na sinalização do seu próprio carro e na percepção dos outros motoristas sobre a sua passagem.
 

Ferramentas de emergência

Certifique-se de que a chave de roda, macaco, estepe, triângulo, extintor e outros itens indispensáveis estejam no carro e prontos para uso. 

Selecionados Ruff: Ford Model T

Uma das páginas mais importantes da história do automobilismo foi escrita com o surgimento do Ford Model T. Produzido pela Ford Motor Company de outubro de 1908 a 1927, é considerado o primeiro veículo acessível ao grande público da história e lançou as bases de como a indústria automobilística seria construída a partir dali.

Antes do Model T, os automóveis eram caros e escassos, e o novo modelo trouxe consigo uma nova estrutura de produção. Surgiu o conceito de linha de montagem, o que permitiu que o veículo fosse fabricado muito mais rapidamente e, em poucos anos, tornou-se um símbolo da modernização americana. Ao longo dos seus quase 20 anos de produção, ele vendeu 16,5 milhões de unidades e foi considerado o carro mais influente do século 20. Grande parte desse sucesso se deve ao fato de ele ser visto como um carro confiável e de manutenção fácil e barata.

No modo de produção do Model T, em vez de um único operário ficar responsável por todas as etapas de produção, várias pessoas se responsabilizavam por etapas distintas de vários carros. Isso permitia que todas as peças do veículo pudessem ser substituídas, o que tornava sua manutenção mais fácil e acessível. Além disso, o carro contava com estruturas que o tornavam ideal para as condições precárias das estradas da época: chassi alto e resistente, um câmbio de engrenagens epicicloidais (que sofriam menos desgaste na troca de marchas), freios a tambor nas rodas traseiras e uma direção considerada leve para os padrões da época. A alavanca do acelerador, localizada junto ao volante, dava a aparência de um bigode, o que lhe rendeu o carinhoso apelido de ‘Ford Bigode’ no Brasil, apelido este que foi até o nome de uma música de Rossini Pinto e Renato e seus Blue Caps.

O nome dele veio do fato de que todos os modelos desenvolvidos por Ford recebiam uma letra, desde A até T. Vários deles nunca chegaram ao mercado ou sequer tiveram protótipos produzidos, enquanto outros chegaram a ser produzidos, sem contudo conseguir o sucesso do Model T. Depois dele, Ford decidiu que era melhor lançar uma nova era de produção e nomeou o modelo seguinte como “Model A”.

A produção do Model T continuou até 1927 quando Ford, após a cerimônia de apresentação do carro número 15.000.000, decidiu ceder espaço à uma nova geração de produtos e, então, encerrar a produção do veículo. Seu recorde de produção só viria a ser superado décadas depois, em 1972, pelo Fusca. Em 2003, durante as comemorações do centenário da Ford, a companhia restaurou seis unidades do Model T, como homenagem ao legado do veículo e sua contribuição no desenvolvimento do automobilismo.

Cuidados necessários com o carro no clima quente

O verão ainda nem começou, mas o calor parece ter chegado com força na maior parte do Brasil, e isso afeta inclusive os nossos veículos. O clima quente exige cuidados especiais em diversas partes dos carros, incluindo o couro, pintura, vidros e pneus, já que são diretamente afetados pela temperatura mais alta e o sol intenso que marcam essa época do ano e os meses que virão a seguir.

Aproveitamos o tema para dar algumas dicas de como cuidar destas áreas mais sensíveis da nossa máquina de cada dia, pensando sempre em alternativas simples e acessíveis. Anota aí:
 

Pintura

Manter a pintura sem poeira, folhas e as infelizes fezes de pássaros é obrigação, mas em época de calor, evite lavar o carro sob o sol quente para evitar manchas devido à reação dos produtos químicos com os raios ultravioleta. Seria como passar limão na sua pele e ir para o sol. Ah: uma cera para polir não só vai deixar o carro brilhando como também vai criar uma camada protetora.
 

Bancos

Especialmente os bancos de couro são grandes vítimas do calor forte do verão. Quando aquecidos por muito tempo, são capazes de literalmente queimar o passageiro que sentar com as pernas/costas desprotegidas. Existem capas especiais que podem revestir de forma ágil os bancos, além de produtos que protegem o material para evitar danos. A dica a seguir também é uma grande aliada dos bancos.
 

Para-brisa

Uma solução fácil e barata para evitar que seu carro esteja um verdadeiro forno na hora que você for entrar é deixar um tapa-sol, daqueles prateados que refletem os raios e são capazes de diminuir em até 40 ºC a temperatura ali dentro. Além do resfriamento, ele evita que bancos e a borracha de alguns acessórios esquentem e se danifiquem. Vale o investimento.
 

Pneus

Com o aumento da temperatura, a pressão e o atrito da borracha com o asfalto também crescem, o que obriga o motorista a calibrar com mais frequência. Além disso, pneus em dia ajudam na economia do combustível, têm maior vida útil e evitam acidentes. Atenção!
 

Motor

O motor esquenta por conta própria durante o uso do carro, mas o forte calor sobre o capô também pode contribuir. Mantenha sempre em dia os níveis de água e óleo, assim os riscos de aquecimento extremo diminuem e você tem uma viagem mais segura. Em caso de superaquecimento, jamais abra na hora o reservatório de água para checar, a queimadura com vapor é quase certa, então espere resfriar.

4 dicas de limpeza que ajudam na manutenção do carro

Sabemos que a manutenção dos veículos exige atenção e muitas vezes pode ficar bem cara. Por isso, a atenção à limpeza e ao cuidado diário das peças pode prolongar a vida útil delas e diminuir gastos com consertos e substituição de peças, especialmente em locais onde o desgaste já costuma ser maior.

Selecionamos algumas dicas de limpeza que podem ajudar a minimizar e evitar alguns problemas mais comuns nos veículos. Confira:

Cuidado com a maresia

A maresia e os efeitos do sal e da areia são um grande problema para os donos de veículos que moram em cidades litorâneas. Esses fenômenos degradam a pintura e a lataria e causam grandes prejuízos. Por isso, é importante lavar o carro com frequência com água fresca e detergente neutro, mantê-lo coberto principalmente à noite e verificar regularmente se há corrosão externa ou interna.

Mantenha as rodas limpas

É muito comum que cães usem as rodas dos carros como “banheiro”. Isso pode ser um problema, pois a urina deles é ácida e atrai outros cães que também vão urinar no mesmo local para demarcar território. Ao longo do tempo, a corrosão nas rodas é significativa. Para que isso não ocorra, é importante evitar estacionar na rua por longos períodos de tempo. No caso de casas com cães, é importante treiná-los para que não façam suas necessidades nas rodas do carro e lavá-las com frequência quando isso não for possível, para que os ácidos não se acumulem.

Cuide do ar-condicionado

Sistemas de ar-condicionado acumulam pó, ácaros, fungos e umidade ao longo do tempo. Esse quadro pode levar a problemas respiratórios e alergias. Uma forma simples de minimizá-los é desligar o ar-condicionado alguns minutos antes de chegar ao destino (e não apenas quando chegar) para que dessa forma a umidade seja retirada do sistema, o que minimiza a proliferação de micróbios. Além disso, deve-se realizar uma limpeza profunda do filtro e dos dutos pelo menos a cada seis meses e fazer uma manutenção a cada 30 mil quilômetros rodados. Isso é especialmente importante em áreas muito quentes e úmidas em que a proliferação de germes é mais fácil.

Evite restos de alimentos

Farelos de alimentos atraem insetos que podem infestar o carro e eliminá-los depois pode ser bastante problemático. Sempre que possível, evite comer dentro do carro e não deixe embalagens de alimentos espalhadas. Caso isso não seja possível, escove ou aspire os carpetes e bancos regularmente e lave os tapetes, evitando o acúmulo de restos de alimento. Mantenha também um saco de lixo para recolher embalagens, evitando que o lixo fique espalhado dentro do carro e, com ele, fragmentos de comida.

Busque no blog: