Blog

Cuidados no transporte de cães e gatos em veículos de passeio

Seja para uma viagem de férias, seja durante uma mudança, os pets são companheiros das pessoas até mesmo na estrada. E da mesma forma que as pessoas, precisam ser transportados da forma mais segura e confortável possível, para evitar acidentes e ferimentos. A legislação prevê multa e perda de pontos na carteira para o transporte inadequado de animais. Confira aqui algumas dicas de como transportar o seu pet da melhor forma possível.

Grades e caixas de transporte

Caixas de transporte são uma opção bastante versátil e prática, em especial quando se trata de viagens longas. No caso dos gatos, é a melhor opção, uma vez que eles são mais ariscos e arredios que os cães e se movimentam mais rápido, o que pode ser particularmente perigoso dentro de um veículo em movimento. Também pode ser uma opção pouco viável para cães de grande porte; nesse caso, grades de proteção (que isolam uma determinada área do veículo para o animal) são indicadas. É importante que as caixas sejam resistentes, com boa ventilação e sejam adequadas ao tamanho do animal, e no caso das grades, o ideal seja que outros acessórios de segurança sejam empregados em conjunto.

Cintos de segurança

Indicados para cães, os mantém presos ao banco traseiro em segurança. Há vários modelos, como adaptadores de coleira ou peças completas. É importante que seja utilizada uma coleira do tipo peitoral, e não prender o animal pelo pescoço, pois em caso de freada brusca há um risco sério de estrangulamento. Da mesma forma, não se deve utilizar cordas, arames ou outros materiais inadequados para prender o cão.

Assentos e cadeiras

Indicados especialmente para animais de pequeno porte, essas cadeiras podem ser montadas no banco traseiro e utilizadas em conjunto com a coleira peitoral. Elas tem a vantagem de serem confortáveis e não aprisionarem completamente o animal em um pequeno espaço, mas podem não ser uma boa pedida caso ele seja agitado demais.

Além disso, é sempre importante que um veterinário seja consultado antes de viagens mais longas. Lembre-se que animais nunca podem ser transportados no banco da frente, e que é necessário manter o veículo arejado e evitar movimentos bruscos. Dessa forma, a segurança e o bem-estar do pet e da família estarão garantidos.

3 dicas para entender melhor a manutenção do seu carro

A manutenção de um veículo pode ser uma grande fonte de dores de cabeça para os condutores. Além da preocupação com os danos ao carro e com o risco de possíveis acidentes, é necessário também tomar cuidado com a tentativa dos estabelecimentos de “empurrar” serviços e produtos desnecessários, o que leva a gastos ainda maiores.

Nesta matéria, elencamos 3 situações em que essa prática é comum e como evitar prejuízos na compra de produtos e serviços desnecessários:

Troca de pneus x alinhamento

Recomenda-se trocar os pneus a cada 35 mil a 45 mil quilômetros rodados. Já o alinhamento e balanceamento deve ser realizado a cada 10 mil quilômetros rodados, e também sempre que houver troca de pneus ou montagem/desmontagem das rodas. Quando esses procedimentos não são realizados, pode haver um desgaste prematuro dos pneus. Logo após a troca, é importante verificar se esse alinhamento foi feito de forma correta, e se não for o caso, pedir por uma revisão. Da mesma forma, é comum que os vendedores tentem convencer os clientes a adquirir outros produtos e serviços, que podem não ter relação alguma com o problema; da mesma forma, pedir uma segunda opinião pode poupar tempo e gastos.

Cambagem: quando ajustar

A cambagem é a inclinação das rodas do veículo em relação ao plano horizontal. Pode ser necessário ajustá-la em determinadas situações, mas na grande maioria das vezes isso não acontece (e em muitos veículos nem é possível ajustá-la). Geralmente, um ajuste é necessário em casos de pancadas (buracos ou meio-fio, por exemplo), então se for dito que um ajuste de cambagem é necessário sem que tenha ocorrido algo assim, convém buscar uma segunda opinião para não realizar um procedimento desnecessário em seu veículo.

Seguro de pneus e garantia

Muitas vezes, os consumidores dão preferência por pneus com garantia, além de acionarem seus seguros. Ambas opções tem seus problemas: os seguros cobrem danos aos pneus e rodas até uma determinada medida (roubo, furto, danos por acidentes, e no caso de danos parciais o valor de reparação deve ultrapassar o valor da franquia), e os serviços de garantia dos fabricantes podem ser lentos e confusos. Mesmo assim, é importante acioná-los quando se tratar de um caso previsto nos termos da garantia e guardar as notas fiscais para possíveis ressarcimentos

Saiba como atrair clientes diante da alta dos combustíveis

O aumento constante nos preços dos combustíveis nos últimos meses impacta de diversas formas a economia local e, obviamente, os clientes. Independentemente do modelo do automóvel e do combustível que ele consome, encher o tanque é algo que está fora da realidade de muitos hoje, mas é justamente em momentos como esse que os postos precisam se reinventar e pensar em boas alternativas para manter seus clientes.

Selecionamos algumas sugestões para os negócios se manterem no alto e os consumidores felizes. Confira:
 

Novos horários de funcionamento

Dependendo da localidade do estabelecimento, é possível adequar o horário de funcionamento a fim de atender públicos diferentes. Por exemplo: manter o posto aberto após as 22h é um negócio viável para quem está perto de universidades, casas noturnas e afins. Muitos motoristas têm dificuldades em encontrar postos abertos após esse horário, então essa pode ser uma opção viável.
 

Ofereças brindes e cortesias

Apesar de muitos estabelecimentos já terem adotado tal prática, oferecer vantagens exclusivas, prêmios e promoções ainda é uma forma certeira de manter a fidelidade dos clientes, ainda mais em tempos de preços altos. Lavagem, eventos, descontos na loja de conveniência e em eventos culturais, milhas aéreas... Essas são algumas opções que trarão bons resultados para a equipe.
 

Realize análises estratégicas

Sabemos que os próprios postos determinam os preços que vão vender, mas as cifras dependem da oferta e da demanda dos combustíveis no cenário brasileiro. A variação de preço pode ser controlada se a administração do estabelecimento fizer análises mais apuradas e souber o quanto comprar para armazenar. Preços constantes, sem mudanças repentinas, aumentam a confiança do cliente, então, calculadora na mão para evitar prejuízos.
 

Invista em marketing

Se os preços estão nas alturas, pode ser a hora de investir na imagem do negócio. A equipe de marketing deve pensar em estratégias, não só as citadas na segunda dica, mas que também impressionem o público com as políticas do posto, ações solidárias na comunidade, propagandas marcantes e com a otimização da equipe de colaboradores.

Selecionados Ruff: ID Buzz, o sucessor da Kombi

A Volkswagen anunciou no dia 19 de agosto um sucessor para a histórica Kombi. Será um veículo baseado no conceito ID Buzz, apresentado em janeiro no Salão de Detroit. De acordo com o presidente da companhia, depois da apresentação do conceito nos salões de Detroit e Genebra, houve um grande volume de pedidos para que o carro fosse produzido.

Não é para menos: a Kombi original, produzida ininterruptamente em território nacional entre 1957 e 2013, é um dos carros mais antigos e icônicos no Brasil, sendo considerada precursora das vans de passageiros e de carga. Sua estrutura original era simples, porém robusta: construção em monobloco, suspensão independente com barras de torção, motor tipo boxer com refrigeração a ar e um dos seus diferenciais mais icônicos era a posição do motorista: sentado sobre o eixo dianteiro e com a coluna de direção quase vertical. Seu nome vem de Kombinationsfahrzeug (em tradução livre, “veículo combinado” ou “veículo multiuso”), o que representa bem o seu uso e um dos motivos pelo qual está tão presente nas ruas e no imaginário do brasileiro: um veículo confiável e resistente, que conseguirá se sair bem onde outros, mais novos, não se dão bem.

O seu sucessor, apesar de tentar conservar alguns desses aspectos, traz uma série de novidades. A princípio, sabe-se que será um veículo elétrico com um certo nível de condução autônoma, opção de assento variável e uma alternativa sem bancos, para transporte de carga. Seu nome, ID Buzz, é um jogo de palavras, já que sua pronúncia é parecida com ‘Bus’, apelido da Kombi nos Estados Unidos, e a fonética lembra o som de um motor elétrico. Ela utiliza uma plataforma específica para veículos elétricos, que permite que as baterias sejam acomodadas no assoalho e, assim, liberem espaço para passageiros.

A nova Kombi também não deixa a desejar no desempenho: seus dois motores, localizados um em cada eixo, produzem em conjunto 374 cavalos de potência, com velocidade máxima de 160 km/h e autonomia de 434 km, além de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 5 segundos.

O ID Buzz, porém, ainda não está pronto para o lançamento, e só chegará aos consumidores em 2022. Além disso, algumas das tecnologias envolvidas, especialmente aquelas ligadas ao modo autônomo de direção, estão previstas apenas para 2025. Mas já é o suficiente para acender novamente a paixão dos fãs deste veículo ao redor do mundo.

Dicas de segurança no transporte de carga de combustíveis

O roubo de cargas no Brasil vem crescendo em taxas alarmantes e trazendo prejuízos de bilhões de reais. Segundo a Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), apenas em 2016 foram 22.550 ocorrências, um número 86% maior do que o registrado em 2011, e esse valor equivale em média a um caminhão roubado a cada 23 minutos. No país, os estados campeões nesse tipo de crime são São Paulo e Rio de Janeiro, e as quadrilhas vem se especializando cada vez mais. Por isso, é necessário desenvolver estratégias que minimizem os riscos para os profissionais e para a carga (o que é especialmente importante quando falamos de transporte de combustíveis). Separamos algumas dicas que podem ajudar esse processo. É importante salientar, porém, que mesmo que todas essas dicas sejam observadas ter um seguro de carga ainda é fundamental.

 

Desenvolva uma política interna de transporte de cargas

Assegurar a integridade dos motoristas e da carga é um processo que deve começar no planejamento dos traslados. Deve haver uma política interna de transporte que defina diretrizes básicas para evitar possíveis situações de risco. As rotas precisam ser bem planejadas, evitando viagens noturnas quando possível, estabelecendo pontos de parada em estabelecimentos conhecidos e movimentados, e definindo o trajeto por áreas mais seguras e que o motorista conheça bem. Dessa forma, a empresa pode garantir alguma segurança aos seus funcionários, ao evitar expô-los a riscos muitas vezes desnecessários.

 

Mantenha seus funcionários treinados e comunique-se com eles

É imprescindível manter uma rede eficiente de comunicação com os motoristas e que eles saibam corretamente como proceder em caso de assaltos ou outras situações de risco. Os colaboradores precisam saber exatamente a quem recorrer, de forma que problemas que apareçam sejam resolvidos da forma mais rápida, eficiente e segura possível.

 

Utilize a tecnologia a seu favor

Atualmente, os profissionais dos transportes tem à sua disposição uma série de ferramentas de rastreamento e monitoramento, além de formas para contatar autoridades e serviços de segurança em tempo real. Dessa maneira, não apenas os motoristas podem rapidamente pedir auxílio, como a empresa pode realizar ações remotas, como o bloqueio do veículo e da carga, além de monitorar qual rota está sendo seguida e acionar as autoridades caso ela fuja muito do planejado.

 

Reporte às autoridades

Se ainda assim o pior acontecer, é importante denunciar os roubos e contribuir com as autoridades para aumentar a vigilância nas áreas de risco e prevenir novas ocorrências. Uma iniciativa da Fecombustíveis em associação com o Sindicom e o Brasilcom levou à criação de um disque-denúncia específico para roubos de carga de combustíveis. A ideia é criar um banco de dados tanto da revenda quanto da distribuição, para desta forma se ter uma visão clara da dimensão dos danos que essa prática traz ao mercado de combustíveis, e de mapear as áreas de maior-risco. O número é 0800-221-6695, e as denúncias podem ser feitas de forma anônima. É importante salientar, porém, que esse disque-denúncia não substitui uma denúncia formal à polícia e que é imprescindível que se faça um boletim de ocorrência em caso de problemas.

Busque no blog: