Segurança para carros: você se importa?

Quão importante são para você os equipamentos que, apesar de ninguém ver, fazem toda diferença na hora de salvar sua vida? Muitas vezes, recursos como cintos de segurança, freios ABS e terceira luz de freio não são tratados com a atenção que merecem, e, mesmo sendo impostos por lei, acabam ignorados por muitos motoristas.

Uma das barreiras impostas à segurança para carros está, justamente, no próprio mercado. Medidas mais comuns como cintos de segurança e assentos para crianças já se tornaram parte do cotidiano brasileiro, porém, as mais sofisticadas, que incluem radar anticolisão e sensores para alertar a saída da faixa de rolamento, estão presentes apenas nos carros esportivos e de alto luxo. Recursos assim levam anos para ficarem mais baratos e serem produzidos em massa; os freios ABS e os airbags, por exemplo, serão exigidos somente a partir de 2014 pela normatização de segurança para carros.

Além disso, existe a concorrência no setor que, pressionadas pelos custos e a baixa valorização do consumidor por segurança, acabam optando pelo menor preço. Isso ocorreu quando um novo modelo foi lançado no Brasil equipado com uma dupla de bolsas de ar frontal inclusas no preço original, mas, como a segurança para carros não se mostrou um bom argumento de venda, a montadora, em quatro anos, retirou o acessório. Assim, os clientes preferiam investir em itens de conforto e luxo no lugar de investir R$ 2 mil em airbags.

E a situação da segurança para carros brasileiros não é das melhores. Nos últimos dois anos, os testes do programa da América Latina de avaliação para carros novos (LATIN-NCAP) vêm evidenciando nosso fraco nível de segurança. Alguns carros não alcançaram mais do que uma estrela na avaliação do crash test a 64 km/h. O resultado do teste foi divulgado em novembro de 2011 e consiste em uma colisão contra barreira fixa.

Sobre isso, David Ward, secretário geral do Global NCAP, falou à revista AutoEsporte no ano passado afirmando que os modelos oferecidos na América Latina estão 20 anos atrás dos europeus e norte-americanos em termos de segurança para carros. Segundo ele, “as montadoras sabem fazer tecnologias de segurança, têm o know-how, a questão é que podem fazer um carro mais seguro e ele ficar mais caro e não vender. Por isso, é preciso uma adequação do mercado”.

Mas, mesmo nessa situação envolvendo preços e concorrência, é importante que você, motorista, dê preferência aos equipamentos essenciais à sua segurança. O site da LATIN-NCAP conta o indispensável a se levar em conta na segurança para carros no momento da compra. Segundo o Programa, é importante avaliarmos se há: airbags; cintos de três pontos, se possível, para todos os passageiros; ABS, sempre que disponível; e, se for viajar com crianças, sistemas de união para sujeições infantis Isofix, para contribuir com a instalação de seu SRI. Além, é claro, do número de estrelas atribuído pela LNCAP.

E você, quanto se importa com a segurança para carros? Confira o vídeo abaixo de um dos crash tests da LATIN-NCAP e reflita mais em relação ao tema.

 

2012-02-29T00:00:00-03:0029 de fevereiro de 2012|Dicas e Cuidados|