Troca de peças no carro: evite gastos desnecessários

Interpretar os orçamentos antes de realizar a troca das peças indicadas pelo mecânico é ideal para evitar gastos desnecessários. Saber detectar problemas no filtro de ar, velas, pastilhas de freio, filtros de óleo e a qualidade das peças que serão substituídas evita que você seja enganado ao levar o carro na oficina. Confira algumas dicas!

 

Filtro de ar

É preciso verificar o acúmulo de poeira e sujeira no filtro. Se ele estiver preto ou marrom, é hora de substituir por um filtro novo.

 

Rolamento

O ruído proveniente das rodas, típico do atrito entre peças metálicas, indica que um ou mais rolamentos precisam ser trocados. Com o tempo, o barulho aumenta e a quebra da peça trava o movimento da roda.

 

Velas

Aumento no consumo de combustível, falha na ignição ou no motor, dificuldade para dar o arranque e excesso de fumaça no escapamento são sinais que indicam a necessidade de substituir as velas. É importante consultar o manual do proprietário e verificar a quilometragem indicada para troca da peça.

 

Pastilhas de freio

Ruídos na hora da frenagem, demora para frear o veículo e o famoso pedal “xoxo” indicam o desgaste nas pastilhas de freio.

 

Filtro de óleo

O filtro deve ser substituído a cada troca de óleo para que os resíduos da solução antiga não prejudiquem a eficiência do novo.

 

Qualidade das peças

Caso realmente seja necessária a troca de peças, a qualidade deve estar em primeiro lugar, para não colocar em risco a sua segurança. Uma pastilha de freio com dureza excessiva, por exemplo, altera a capacidade de frenagem do veículo e diminui a vida útil dos discos. Já as peças periféricas como frisos, calotas, botões, maçanetas não colocam em risco o desempenho do veículo.

Por isso, ao invés de analisar somente os valores, é importante balancear os pontos positivos e negativos de peças genuínas, originais, de segunda linha e recondicionadas e escolher a melhor opção, de acordo com a função que irá desempenhar no automóvel.

 

  •  Peças Genuínas

São peças vendidas pelas concessionárias, produzidas ou não pela montadora. Fabricadas com material adequado, que atende as especificações definidas pela montadora. No entanto, são comercializadas com preços abusivos.

 

  • Peças Originais

Fornecidas pelos mesmos fabricantes das montadoras, mas vendidas com embalagem própria. Apesar de não passarem por um controle de qualidade das montadoras, possuem boa qualidade e um preço menor em relação às peças genuínas.

 

  • Peças de segunda linha

São peças paralelas que tem como diferencial o preço. Elas são fabricadas com materiais de qualidade inferior.

 

  • Peças recondicionadas

Provenientes de materiais com retrabalho, com estrutura preservada. Não são recomendadas para itens de segurança como freios e suspensão.

 

Para evitar dores de cabeça, consulte sempre um mecânico de sua confiança!

2014-10-08T10:58:00-03:008 de outubro de 2014|Dicas e Cuidados|
Open chat
Precisa de ajuda?